Menu Categorias
Pais de Adolescentes

Pais de Adolescentes

Por: Marcia Belmiro | Adolescentes | 04 de julho de 2018

Assim como os filhos, durante o processo de crescimento e amadurecimento, os pais também passam por muitas fases ao criá-los, desde a primeira infância. Assim que chegam da maternidade, já precisam lidar com novidades como ter o sono privado, levantar de madrugada para amamentar o bebê. Depois, lidam com manhas, birras e protestos do tipo “hoje não quero ir à escola”. Não seria diferente com a fase da adolescência. Só a palavra já causa arrepios, ansiedade e preocupação em muitos pais.

Embora muitos adultos sintam medo dessa etapa, a adolescência pode ser uma oportunidade de ajudar os filhos a vencer, já que ficam cheios de energia, atentos, adquirem ideais e costumam se interessar pelo que é justo e correto. Pode ser um tempo para os pais ajudarem seus filhos, que ainda estão deixando a infância, a amadurecer e se tornar as pessoas que serão no futuro. A adolescência é a fase ideal para que os jovens aprendam que todas as pessoas são diferentes, e que eles possuem características próprias, que ajudam a formar o seu jeito único de ser.

Detectar a fase da puberdade já pode ser um bom início para os pais. Algumas pessoas podem apresentar as primeiras mudanças físicas ainda na infância. Uma menina, por exemplo, pode ter a sua primeira menstruação aos oito anos. Quando isso acontece, já se tem o gatilho inicial para as transformações que virão. E é importante estar atento a esses sinais.

Muitos adolescentes, porém, mostram que já entraram nesta fase pela mudança drástica na forma como se relacionam com seus pais. Começam a reivindicar a sua independência, dão mais importância à forma como os outros às veem, especialmente os de sua idade, tentam se encaixar em algum grupo para serem aceitos, e, com isso, muitas vezes passam a imagem de que tornam seus amigos mais importantes do que os pais na tomada de decisões.

O que o comportamento desses jovens não revela é que a opinião dos pais continua, sim, sendo fundamental para eles, e que irão carregá-la em todos os seus momentos de vida, por mais que vivam uma época mais rebelde. Fora isso, o apelo às inúmeras fontes de conhecimento, às novas tecnologias, e a possibilidade de interação com pessoas do mundo inteiro permitem ao adolescente ter uma postura mais questionadora. Eles tendem a se informar mais, a checar toda informação relevante que recebem. E tudo isso pode contribuir para que os pais se sintam, cada vez mais, “cartas fora do baralho”.

Neste ponto, o Método GrowCoaching® em seu processo integral, aplicado ao contexto familiar, pode ser um divisor de águas no relacionamento dentro de casa, com reflexos para toda a vida de pais e filhos. Por meio de técnicas de Coaching exclusivamente desenvolvidas para o universo juvenil, que podem ser aprendidas pelos próprios pais, é possível ressignificar as relações, valorizando os seus aspectos únicos e essenciais, visando o fortalecimento das interações do jovem em todos os seus ambientes.

Afinal, ainda que os filhos sejam os mais populares da escola ou consigam toda e qualquer informação que desejem pela internet, os pais seguem tendo um papel insubstituível e altamente relevante na construção de suas personalidades, como o de ajudar e amadurecer os relacionamentos, lidar com frustrações, ter perseverança, valorizar o outro, e ser tolerante. Tais aprendizados são os mais importantes que um jovem pode receber.

Portanto, os desafios são contínuos e crescentes tanto para pais quanto para filhos, principalmente em um mundo de multiestímulos e falta de parâmetros claros, onde os conceitos sobre o que ajuda ou atrapalha o adolescente são elásticos. Faz-se necessária a busca por um modelo e um processo que permita ao adolescente o autoconhecimento, o domínio de suas habilidades, a clareza de onde quer chegar e o suporte para alcançar o que deseja.

Matérias Relacionadas

Exclusão social da criança como sujeito pensante
Nossas crianças estão mesmo mais hiperativas? Diagnósticos de TDAH sobem todos os anos, no Brasil e no mundo
Sinais de depressão na Adolescência