Como manter o relacionamento com os filhos a distância

Como manter o relacionamento com os filhos a distância

Por: Marcia Belmiro | Crianças | 22 de outubro de 2019

Na relação entre pais e filhos, há momentos de distância mais ou menos longos, dependendo do motivo – pode ser uma viagem a trabalho ou lazer, a mudança de cidade de um dos pais ou até a separação do casal, quando a guarda fica geralmente com a mãe.
Em todas essas situações, é preciso manter a relação o mais próxima possível com as crianças – lembrando que, perto ou longe, é dever tanto do pai quanto da mãe acompanhar a rotina dos filhos, orientar e educar.

Já na saída é importante que haja honestidade dos pais. Se a viagem vai durar alguns dias, não adianta dizer “vou ali e já volto”, ou, em caso de divórcio, falar que “nada vai mudar”. Essas frases não acalmam a criança, como acreditam os pais. Pelo contrário, ela percebe por conta própria que não é bem assim e passa a temer que outras coisas que ouviu também não sejam verdade.

É válido explicar o motivo da ausência, o tempo que vão ficar sem se encontrar, o que vai acontecer nesse período na sua vida e na do seu filho, em uma linguagem adequada à idade (ex.: Enquanto eu estiver fazendo esse curso que é muito importante para mim, você vai para a escola a semana toda e vai dormir com a vovó. No sábado, que é o dia que você não tem aula, eu vou voltar). Mesmo bebês e crianças que ainda não falam necessitam saber o que vai acontecer de novo com a mudança – seja ela provisória ou permanente.

Nada substitui a proximidade física, assim o ideal é ter estratégias para minimizar a saudade e evitar que a ausência cause danos na relação:

– Quando o pai ou a mãe moram em outra cidade, podem organizar uma agenda de encontros. Isso cria uma (nova) rotina, o que é importante para a criança;

– Usar a tecnologia a seu favor: ligações de vídeo, mensagens de celular, áudios e fotos para que pais e filhos possam compartilhar o que estão vendo, fazendo e sentindo à distância;

– Ter segurança sobre o motivo da ausência. Quando não há essa clareza, provavelmente os pais se sentirão culpados e os filhos, confusos;

– Não cair na armadilha de compensar a ausência com presentes. Eles só acalmam a consciência dos pais, mas não têm grande efeito sobre a psique das crianças e ainda estimulam o consumismo.

Fonte:

“A relação entre pai e filho(s) após a separação conjugal”. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/1748/2352

                      

Matérias Relacionadas

Marketing pessoal eficaz na era tecnológica
Meu filho não quer mais morar comigo
O Desenvolvimento do Bebê (primeiro ano de vida) –  Sobre a Dependência Absoluta